Quando o carro apresenta falhas envolvendo o aquecimento excessivo de algum dos seus componentes, o defeito pode estar na refrigeração automotiva, e saber identificá-lo é fundamental para acabar com o problema pela raiz. 

Pensando nisso, a equipe de mecânicos da TempoTem montou um guia completo explicando tudo sobre refrigeração automotiva, com dicas exclusivas para você não ficar na mão com o seu automóvel.

Antes de iniciarmos o manual, vale explicar que apesar de ser um sistema complexo, a refrigeração automotiva pode apresentar falhas simples e fáceis de serem corrigidas desde que identificadas rapidamente e corrigidas por um profissional qualificado. 

Portanto aqui, de forma simples e direta você vai descobrir como funciona a refrigeração automotiva do seu carro, ficar por dentro dos principais defeitos que surgem nessa parte do automóvel e aprender os truques dos especialistas para manter o seu veículo sempre bem refrigerado. Vamos lá?

O que é refrigeração automotiva?

Você sabe o que é e qual a importância da refrigeração automotiva?

A refrigeração automotiva é o processo responsável pelo controle da temperatura dos componentes do veículo, e esse mecanismo pode ocorrer por meio do sistema de arrefecimento e pelo sistema de climatização. 

Ou seja, é comum os dois métodos serem confundidos, contudo, cada um possui suas próprias características.

O sistema de climatização compreende o uso do ar-condicionado, por exemplo. Nesse caso, existe um fluido refrigerador em forma de vapor que absorve calor do ar externo do carro, onde ao passar pelo evaporador este se transforma em líquido a baixa pressão. 

Em seguida, o ventilador ajuda a empurrar o ar resfriado para dentro do carro — um processo bem diferente do que acontece com o sistema de arrefecimento.

Como funciona o sistema de arrefecimento? 

O sistema de arrefecimento foi desenvolvido e é aplicado em carros de motor a combustão, sendo responsável por manter a sua temperatura dentro da faixa ideal para o funcionamento das peças. 

Dessa forma, a temperatura veicular gira em torno dos 90º a 100º C, mas pode variar de acordo com o modelo do automóvel.

Assim, a refrigeração automotiva mantém o propulsor estável — não tão quente a ponto das peças derreterem e nem tão frio a ponto da combustão não gerar energia suficiente para o carro pegar —, e esse controle se dá por meio da troca de calor entre o bloco do motor e água que passa pelas galerias do dispositivo.

Quais as peças responsáveis pela refrigeração automotiva?

Anote já um checklist das peças responsáveis pela refrigeração automotiva:

Para que o sistema de refrigeração automotiva funcione de forma correta e segura é necessário que os seus compostos estejam em equilíbrio

Deste modo, o sistema de arrefecimento possui um ciclo fechado com oito componentes principais, sendo eles:

  • bomba d’água;
  • sensor de temperatura;
  • válvula termostática;
  • reservatório de expansão;
  • radiador;
  • aditivo;
  • mangueiras;
  • ventoinha.

Além disso, o sistema de climatização conta com:

  • compressor;
  • filtro secador;
  • condensador;
  • válvula de expansão;
  • evaporador;
  • ventilador;
  • gás refrigerante. 

Cada um desses componentes possui seu papel dentro do sistema de refrigeração automotiva, contudo, três deles merecem uma atenção especial. Abaixo veja quais são eles:

Como funciona o radiador na refrigeração automotiva?

O radiador é a peça responsável pela troca de calor entre o ar frio de fora do carro e os líquidos que estão presentes no motor. 

Geralmente, essas substâncias são compostas por 50% de água desmineralizada e 50% de aditivo — o que mantém a água na temperatura ideal evitando que ela congele.

Essa peça possui em seu interior diversos tubos por onde o ar passa. Por meio deles o ar resfria as substâncias que baixam a temperatura das outras peças do carro. 

Vale ressaltar que caso o líquido esteja baixo ou com uma coloração mais escura, é recomendável realizar a troca do radiador por um novo. Saiba que no mercado existem diversos tipos de radiador, onde quanto maior for o modelo, mais rápido ocorrerá a refrigeração automotiva.

Como funciona o compressor na refrigeração automotiva? 

O compressor é um componente que faz parte do sistema de climatização, e é essa peça que fornece energia necessária ao fluido refrigerante. 

Deste modo, dentro do sistema de refrigeração automotiva o gás é comprimido pelo compressor, fazendo a temperatura aumentar — e é a partir desse momento que ocorre todo o processo que leva à refrigeração do ar.

É preciso ficar atento(a) caso o compressor comece a apresentar falhas, pois o mau funcionamento do mesmo pode comprometer todo sistema de climatização. Por isso, é importante utilizar peças originais e fazer manutenções periódicas, ok? 

Ademais, se tanto o carro quanto os componentes forem velhos, é necessário procurar um mecânico para trocar a peça por uma nova no momento exato.

Como funciona a ventoinha na refrigeração automotiva?

A ventoinha garante que a troca de calor entre o ar e o fluido refrigerante ocorra de forma mais rápida e eficiente por meio da aceleração da passagem de ar pelo radiador. 

Assim, essa peça é utilizada para evitar que o motor superaqueça, e uma das suas partes compreende um motor elétrico que é desligado quando não há a necessidade de uso.

É fundamental ficar de olho em possíveis problemas nessa peça, pois o mau estado da mesma pode comprometer o sistema de refrigeração automotiva. Dessa maneira, é recomendado observar se a ventoinha está ligando ou desligando quando o motor elétrico for acionado. 

Além disso, o estado dos fios e do fusível, bem como o sensor de temperatura e o nível do fluido refrigerante, precisam sempre ser verificados para que não haja danos no sistema.

Como funciona o ar condicionado automotivo?

Descubra o processo que seu automóvel faz até a climatização completa acontecer.

Como explicamos anteriormente, o ar condicionado automotivo é responsável pelo sistema de climatização

Esse item se tornou indispensável para a maioria dos motoristas por proporcionar maior conforto e segurança no trânsito, onde dentro da refrigeração automotiva ele funciona como um trocador de calor, o qual utiliza as variações de estado do fluido refrigerante para controlar a temperatura no interior do carro.

Sendo assim, o compressor pressuriza o fluido em estado gasoso e o envia por meio das tubulações até o condensador onde é resfriado, e devido a queda de temperatura se torna líquido. Em seguida, é mandado ao filtro secador para remover as impurezas. 

Depois, uma vez limpo, o fluido é transportado até a válvula de expansão onde é reduzida a temperatura e a pressão, transformando-o em “névoa”. Por último, essa espécie de gás é conduzida até o evaporador, e é lançada pelas tubulações do carro por meio de um ventilador.

O custo-benefício para instalação do ar compensa? 

Essa é uma dúvida recorrente, principalmente para aqueles que compram carro sem o ar condicionado de fábrica. 

Aqui alguns fatos precisam ser analisados, como o valor da instalação — que pode ficar em torno de 3 a 4 mil reais — e o aumento do gasto de combustível

Assim, o ideal é listar os prós e contras para saber se vale a pena fazer a instalação do acessório levando em conta o estado de conservação e funcionamento do carro, ok?

Tem um carro sem ar condicionado de fábrica? Confira se vale a pena fazer instalação de ar condicionado automotivo.

Como prolongar a durabilidade do ar condicionado automotivo? 

Alguns cuidados são essenciais com os componentes da refrigeração automotiva, como, por exemplo, utilizar o ar condicionado regularmente para evitar o seu ressecamento. 

Além disso, ligar o ar após a partida do carro, evitar fumar dentro do veículo, não o deixar sob o sol forte e contratar uma higienização veicular periodicamente é fundamental para o bom funcionamento do sistema.

Quais os defeitos frequentes na refrigeração automotiva?

Para te ajudar a identificar qualquer problema que possa surgir na refrigeração automotiva, separamos uma lista com os defeitos mais frequentes nesse tipo de sistema

Dê uma olhada e veja os cuidados sugeridos pelos especialistas para que os componentes funcionem da melhor maneira:

Vazamento do fluido refrigerante

Pode ser causado por furos ou ressecamento da mangueira, por mal encaixe das tubulações ou por buracos no radiador. No primeiro caso, o problema é resolvido com a substituição da mangueira por uma nova. 

Já com as tubulações, uma forma prática é ficar atento à posição em que ela está, pois encaixando de forma correta evita o vazamento do fluido.

Por último, quando o problema é com o radiador, será necessário avaliar a proporção do estrago. Assim, se tiver sido pequeno, a peça pode ser consertada sem precisar adquirir uma nova. Contudo, se a situação for complexa, o recomendado é trocar o componente por um novo para evitar maiores danos.

Baixo nível de óleo no motor

As peças que compõem o motor sofrem atritos durante o seu período de funcionamento. Dessa forma, a pouca lubrificação ocasionada pelo baixo nível de óleo pode causar a quebra dessas peças, além do superaquecimento do motor. 

Uma forma simples de evitar este problema é verificar regularmente o nível do óleo e reabastecê-lo quando necessário.

Mau funcionamento da bomba d’água

No geral, os vazamentos são causados por mau posicionamento da bomba e, neste caso, é necessário uma revisão veicular para saber qual o estado da mesma. Por outro lado, a ferrugem pode ser evitada com o próprio aditivo presente no fluido refrigerante, pois ele previne a oxidação. 

Assim, é preciso que esteja na medida correta, sendo 50% de aditivo e 50% de água desmineralizada.

Sujeira entupindo o condensador

Com a sujeira presente no condensador o ar condicionado não funciona de forma correta. Isso acontece porque poeira, folhas ou outros detritos impedem a passagem do vapor do fluido que é responsável pela refrigeração automotiva

Deste modo, uma forma prática e simples de evitar o contratempo é realizando limpezas regulares no condensador.

Falta de lubrificação no compressor

A falta de lubrificação do compressor pode ser causada por desgaste ou manutenção irregular, acarretando na não-refrigeração do veículo. 

Assim, é preciso que o componente seja lubrificado regularmente, e para impedir que maiores problemas ocorram é importante realizar manutenções com profissionais qualificados e responsáveis.

Vazamento do gás do ar-condicionado 

As conexões folgadas são uma das causas para o vazamento de gás, o que faz com que o ar-condicionado não gele da maneira que deveria. A identificação desse problema é semelhante ao vazamento de gás dos botijões de cozinha, onde basta utilizar um pouco de água e sabão e ligar o ar condicionado. 

Assim, caso surjam bolhas, é porque o gás está vazando — e um mecânico deve ser contatado para encontrar e corrigir a origem do vazamento.

Agora que você já sabe como funciona a refrigeração automotiva e quais são os defeitos mais recorrentes nesse tipo de sistema, fique de olho e garanta que o seu automóvel esteja sempre na temperatura certa para rodar pela estrada com a segurança que o trânsito exige e o conforto que a sua família merece.

Se você está procurando por serviços mecânicos de qualidade, a TempoTem é o local certo. 

Autor

Lourival Antonio da Silva Junior

23 anos de experiência na área de varejo com foco em bens e serviços dentro de empresas de grande porte como Submarino.com, Saraiva.com.br, Walmart.com e Wine.com.br. Mentor do E-Commerce Brasil, Palestrante, Apresentador, Terapeuta de PNL e curioso.

Deixe seu comentário